Clique aqui! Envie artigos e seja pago por isso. Saiba mais sobre.

Distribuição Linux Personalizada

Todo mundo está se deleitando com a Distribuição Linux Personalizada, personaliando sua própria distribuição mas o que pouca gente sabe é que constuir uma distro Linux sob o Debian, mais especificamente sob o KNOPPIX é uma coisa super simples e bem lega.

Distribuição Linux Personalizada

Distribuição Linux Personalizada

Distribuição Linux Personalizada

Para começar a montar a Distribuição Linux Personalizada vamos a alguns conceitos:
Linux: é apenas o Kernel(alma) do sistema, o sistema operacional em si se chama GNU/Linux entretanto conveniou-se chamar apenas de linux mesmo que seja errôneamente.
KNOPPIX: distribuição linux que roda direto do cd, muito famosa e eficiente, além de fácil manuseio, serve de base para as distros mais usadas no país e no mundo, alguns exemplos são o Kurumin e o Ubuntu.
Pacotes: no linux os programas são instalados através de pacotes, se vc deseja instalar o software X ou Y deve baixar o pacote via seu gerenciador de pacotes ou da internet e compila-lo, não um setup.exe mais comumento conhecido.
ISO: é a imagem do CD, a foto que será gerada para que seu computador possa gravar a sua produção no CD Virgem.

Gostaria de ressaltar que esse procedimento é bem detalhada no Livro Linux: Ferramentas Técnicas – Segunda Edição do Carlos E. Morimoto e que este tutorial é uma modificação do já produzido pelo mesmo. Distribuição Linux Personalizada.

Distribuição Linux Personalizada – Começando

Primeiro Passo: Deve-se ter em mãos uma distro live-cd Kurumin, Ubuntu… eu recomendo fortemente o Kurumin que é bem fácil de manusear e isso será importantíssimo quando se estiver fazendo este procedimento pela primeira vez. De posse do cd, dê o boot e entre no seu sistema, dessa forma eu recomendo fortemente que você separe uma PARTIÇÃO para trabalharmos, e antes que você pergunte, a partição deve ser formatada em ext3 por questões de desempenho, nem preciso dizer que não se pode usar uma partição windows nesse caso. Após o particionamento monte a partição(logado como root):

# mkdir /mnt/hdXX <- Criação do ponto de montagem.
# mount -t auto /dev/hdXX /mnt/hdXX <- onde XX representa a partição que vc criou podendo ser hda1, 2 e por ae vai…

Depois de montar a partição deve-se criar mais três pastas, uso sempre os mesmo nosmes que o Morimoto recomenda pois é uma homenagem.

# mkdir/mnt/hdXX/knxmaster
# mkdir /mnt/hdXX/knxsource
# mkdir /mnt/hdXX/knxsource/KNOPPIX
<- Recomendo FORTEMENTE que use os mesmos nomes.

A pasta “knxmaster” é usada para armazenar uma cópia simples dos arquivos do CD, usada para gerar o ISO final. A pasta “knxsource/KNOPPIX” por sua vez armazena a cópia descompactada do sistema, onde fazemos as modificações.

Comece fazendo a cópia completa dos arquivos do CD para dentro da pasta “knxmaster/”. Ao dar boot pelo CD, os arquivos ficam disponíveis dentro da pasta “/cdrom”.

# cp -a /cdrom/* /mnt/hda6/knxmaster/

Em seguida, vamos criar a imagem descompactada do sistema na pasta knxsource/KNOPPIX/. Para o comando abaixo você deve ter dado boot a partir do CD; ele nada mais é do que uma forma de copiar o sistema de arquivos montado durante o boot para a pasta indicada:

# cp -Rp /KNOPPIX/* /mnt/hda6/knxsource/KNOPPIX/

Esta etapa demora um pouco, pois além de ler os arquivos no CD, o processador tem o trabalho de descompactar tudo, como se estivesse instalando o sistema no HD. Terminada a cópia, você verá a árvore de diretórios do sistema dentro da pasta:

Utilizando o comando “chroot”. Ele permite transformar a pasta no diretório raiz do sistema, de modo que você possa instalar programas, instalar e remover pacotes e até mesmo abrir o KDE e sair alterando suas configurações. Tudo o que você fizer dentro da janela do chroot alterará seu novo CD bootável. Para ativá-lo, use o comando:

# chroot /mnt/hda6/knxsource/KNOPPIX/

Antes de começar a festa das suas modificações, alguns outros diretórios precisam ser montados:
# mount -t proc /proc proc
# mount -t sysfs sys /sys
# mount -t devpts /dev/pts /dev/pts

Para acessar a internet de dentro do chroot e assim poder usar o apt-get para instalar programas, edite o arquivo “/etc/resolv.conf”, colocando os endereços dos servidores DNS usados na sua rede, como em:

nameserver 200.199.201.23
nameserver 200.177.250.138

Pronto! a grosso modo você já pode fazer as alterações direto do modo texto da sua Distribuição Linux Personalizada, e isso é perfeitamente possível com o nosso amigo GNU/Linux (lembre-se que o modo texto é o mais poderoso na maioria absoluta dos casos), entretanto, algumas coisas ficam mais fáceis e viáveis de se fazer através do engine gráfica do sistema, o chamado servidor X, para acessa-lo basta:

# X -dpi 75 :1 <- Isso abre um X pelado, apenas tela cinza e o cursor, não se desespere, tecle Ctrl+alt+F7 e volte a sua engine gráfica normal. Esse comando deve ser digitado no konsole do seu sistema host.

As configurações padrão vão inicialmente na pasta “/etc/skel”. O conteúdo é copiado para a pasta home durante o boot, criando a pasta “/home/kurumin” ou “/home/knoppix”. Precisamos refazer esse processo artificialmente, de forma a carregar o ambiente gráfico (e com o usuário certo) a partir do chroot.

# cd /home
# cp -R /etc/skel kurumin
# chown -R kurumin.kurumin kurumin/
# rm -rf /var/tmp/*

Depois de tudo feito corretamente basta você logar como o usuário padrão da distro em utilização, no meu caso o usuário Kurumin:

# su kurumin
$ cd /home/kurumin/
$ export DISPLAY=localhost:1
$ startkde

PRONTO !! FARRA !! Sinta-se em casa, faça o que bem entender! se algo der errado com sua Distribuição Linux Personalizada, basta copiar a pasta skel novamente e botar pra quebrar do zero! Para instalar pacotes, você pode usar o próprio gerenciador de pacotes da distro, o pat-get para usálo basta usar a sintaxe:

# apt-get update (apenas na primeira utilização do gerenciador, isto gera a lista de pacotes disponíveis.
# apt-get install nomeDoPacote (pronto seu sistema tá sendo customizado com os programas que deseja.

Para remover pacotes indesejados, basta dar o comando:

# apt-get remove nomeDoPacote

Depois de alterar todas as configurações desejadas, feche o KDE pelo “Iniciar > Fechar Sessão > Finalizar sessão atual” e, de volta ao terminal do chroot, copie os arquivos modificados do “/home/kurumin” de volta para o “/etc/skel”, sem se esquecer de restabelecer as permissões originais:

$ exit
# cd /home
# cp -Rf kurumin/* /etc/skel/
# chown -R root.root /etc/skel
# rm -rf /home/kurumin

Se você chegou até aqui sem maiores problemas, quer dizer que você sabe ler muito bem! a verdade é que não é complicado, apenas alguns comandos que ja especifiquei devem ser copiados e colados, um pouco de leitura com atenção também não vai mal, assim as coisas ficam simples e sua distro não tarda em sair. Agora iremos para os passos finais de compilação do seu CD(gerar a ISO).

Depois de fazer a primeira rodada de alterações, é hora de fechar a nova imagem e testar. Evite fazer muitas modificações na Distribuição Linux Personalizada de uma vez, pois assim fica mais difícil de detectar a origem dos problemas.

O ideal é fazer algumas alterações na Distribuição Linux Personalizada, fechar uma nova imagem, testar, fazer mais algumas alterações, fechar outro, e assim por diante. Salve as imagens anteriores, elas podem ser usadas como pontos de recuperação. Com elas, você pode recuperar o sistema a partir de qualquer ponto, caso aconteça qualquer problema estranho na Distribuição Linux Personalizada que não consiga resolver sozinho.

Não mais restando afazeres, comece limpando o cache de pacotes do apt-get dentro do chroot. O apt conserva uma cópia de todos os pacotes baixados, o que desperdiça bastante espaço.

# apt-get clean

Você pode também deletar a base de dados dos pacotes disponíveis (que é gerada ao rodar o “apt-get update”), reduzindo o tamanho da imagem final em quase 10 MB:

# rm -f /var/lib/apt/lists/* (não delete a pasta “/var/lib/apt/lists/partial”, apenas os arquivos)

Outro comando útil, que ajuda a liberar espaço é o “deborphan”, que lista bibliotecas órfãs, que não são necessárias para nenhum programa instalado. Elas vão surgindo conforme você instala e remove programas.

# deborphan

Hack Mod? Não Não… Delete também o histórico de comandos do root, que contém os comandos que você executou durante o processo de personalização; não existe necessidade de divulgá-los ao mundo. Aproveite para eliminar também o diretório .rr_moved:

# rm -f /home/root/.bash_history
# rm -rf /.rr_moved

Finalmente chegou hora de dar adeus ao chroot e gerar a nova imagem. Comece desmontando o “/dev/pts”, o “/sys” e o diretório “/proc” que montamos no início do processo, caso contrário todo o conteúdo da memória e do diretório /dev será incluído na imagem, gerando um arquivo gigante:

# umount /dev/pts
# umount /sys
# umount /proc

Agora pressione CTRL+D para sair do chroot.

Antes de tentar gerar a imagem, use o comando free para verificar se a memória swap está ativada. Se necessário, formate novamente a partição swap e reative-a com os comandos “mkswap /dev/hda2” e “swapon /dev/hda2”, substituindo o “hda2” pela partição correta.

Depois de tudo verificado, o comando para gerar a imagem é:

# mkisofs -R -V “Meu_CD” -hide-rr-moved -pad /mnt/hda6/knxsource/KNOPPIX \
| /usr/bin/create_compressed_fs – 65536 > /mnt/hda6/knxmaster/KNOPPIX/KNOPPIX
(As duas linhas formam um único comando)

Sim é um pouco longo, mas o que eu posso fazer? É necessário e muito útil =) (que consolo!)

Mas como Linux pe informação livre vamos explicar também o que significa, não adianta apenas dar alguns alakazans e alakazins e não sonhar para que serve essas coisas:

mkisofs: Este é o programa usado para gerar imagens ISO no Linux. Ele é utilizado originalmente por programas de gravação de CD. Graças aos parâmetros extras, ele é “adaptado” para gerar a imagem compactada do sistema.

-R: Ativa as extensões Rock-Ridge, que adicionam suporte a nomes longos no Linux.

-V “Kurumin”: O nome do volume. Você pode substituir o “Kurumin” por qualquer outro nome.

-hide-rr-moved: Esconde o diretório RR_MOVED caso encontrado. Apenas uma precaução.

-pad: Para prevenir problemas de leitura, o tamanho total da imagem deve ser sempre um múltiplo de 32 KB. Este parâmetro verifica isso e adiciona alguns bits zero no final da imagem para completar os últimos 32 KB, caso necessário.

/mnt/hdXX/knxsource/KNOPPIX: Este é o diretório fonte, onde está a imagem descompactada do sistema.

| /usr/bin/create_compressed_fs – 65536: Este é o grande truque. O pipe direciona toda a saída do comando para o programa “create_compressed_fs” (incluído no sistema), que se encarrega de compactar os dados. Note que por causa do uso deste comando, você só poderá gerar a imagem compactada a partir do Kurumin ou outra distribuição baseada no Knoppix, de preferência uma instalação do próprio sistema que está remasterizando. Você não conseguirá fazer a partir do Mandriva (por exemplo), pois ele não inclui o executável citado aqui.

> /mnt/hdXX/knxmaster/KNOPPIX/KNOPPIX: O redirecionamento (>) faz com que o fluxo de dados gerado pelos comandos anteriores seja salvo no arquivo que especificamos aqui, gerando a imagem compactada do sistema, que será usada no novo arquivo .iso.

Com a nova imagem compactada gerada, falta agora apenas fechar o .iso do CD, usando os arquivos da pasta knxmaster. Este comando é usado nas versões recentes, que utilizam o Kernel 2.6:

# cd /mnt/hdXX/knxmaster

# mkisofs -pad -l -r -J -v -V “Kurumin” -no-emul-boot -boot-load-size 4 \
-boot-info-table -b boot/isolinux/isolinux.bin -c boot/isolinux/boot.cat \
-hide-rr-moved -o /mnt/hdXX/kurumin.iso /mnt/hdXX/knxmaster

Pronto sia .iso está gerada e acabou-se seu sistema operacional livre já está rodando, basta queimar a iso em um cd e correr pro abraço.

Alguma dúvida pode postar aqui

Se precisar de informações um pouco mais detalhadas visite:
http://www.guiadohar…ova-imagem.html

Para baixar o Kurumin se precisar:
http://fisica.ufpr.br/kurumin/

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *